pesquisa na Web.... pesquisa em ASGARDH.... pesquisa em iHEAVEN.... pesquisa em iHELL.... pesquisa em Ridertamashii ENTRETENIMENTO.... Previsão do Tempo para São Paulo
translate for english

MITOLOGIA NÓRDICA

iHEAVEN, um mundo de fantasia!
  • iHEAVEN(home)
  • MITOLOGIA CLASSICA
  • MITOLOGIA NORDICA
  • MITOLOGIA CELTA
  • MITOLOGIA EGIPCIA
  • PSICHES,psicologia e religiões comparadas
  • ESPIRITUALIDADE
  • MAGIA
  • BUDISMO
  • BRAHMANISMO
  • DA VINCE, MITOS JUDAICO-CRISTAOS.
  • OS ILUMINADOS
  • COMERCIAIS
    CONTATO COM ASGARDH
    email: sygrun@gmail.com
    Powered by


    BLOGGER

  • ASGARDH, hell and heaven
  • Ridertamashii:animes,mangas,HQs,cultura POP
  • Os Povos do Norte, Germânicos e Romanos e a formaç...
  • A IDADE MÉDIA VIVE! DEBATE SOBRE A SÉRIE GAME OF T...
  • Identificadas árvores "mumificadas" da era viking ...
  • Lokasenna
  • Aegir
  • MAPEANDO YGGDRASIL
  • sobre filme Erick The viking - Ragnarok e cristian...
  • Usos e costumes alemães de Ano Novo
  • O último reino, de Bernard Cornwell, critica pelo ...
  • BERSERKER HELLS WARRIOR
  • Receita do HIDROMEL (Mjöd)
    quinta-feira, maio 25, 2006

    2 quilos de mel (lá é aquele mel meio solido), 9 litros de água, 1 colher de sopa de canela, 1 colher de chá de gengibre, 1/2 colher de chá de "cravo picante" (kryddernellik, traduzi ao pe da letra), 2 limões descascados (3-4 colheres de sopa de suco de limao), 50 g de levedo, 1-3 g de lúpulo seco

    1. Misturar tudo, exceto o levêdo e 3 litros de água, em uma panela grande.
    Marque a profundidade do fluido ao lado da panela ou em algum palito. Marcada a profunidade coloque o resto da água (se não quiser que o mjöd fique muito amargo, coloque menos que 3g de lúplo).
    2. Cozinhe sem a tampa até que a marcação feita fique visível (até que cozinhe 3 litros de água).
    3. Deixe esfriar, e depois coloque o levedo qdo o fluido tiver atingido a temperatura do corpo(traduzi literalmente o termo "kroppstemperatur", não sei se se refere a temperatura do corpo humano de 37 graus ou a temperatura ambiente, acho que seja talvez a segunda opção).
    4. Tampe o mjöd com um pedaço de pano e deixe ficar por uns 3-4 dias, de preferencia em local arejado devido ao cheiro ser bem forte.
    5. Quando a fermentação do levedo estiver terminada, derrame o conteudo atraves de um pano ou toalha em uma tigela ou recipiente e deixe ficar por uns dois dias.
    6.Através de um coador, derrame o conteudo novamente na panela. Evite que os resquicios da fermentaçao venham junto.
    7. Repita o processo umas 5-6 vezes, ou quantas vezes tiver saco antes de provar o mjöd, qto mais vc fizer, mais puro será o gosto e menos gosto de levedo vai ter. Depois é só armazenar em garrafa e beber...a porcentagem alcoolica varia entre 10 e 13%.
    fonte: http://www.ktv.no/~beerman/place/norskmjod.htm

    Hidromel
    Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


    HidromelHidromel é uma bebida alcoólica fermentada a base de mel e água. Consumida desde a antiguidade, sua fabricação é anterior à do vinho e seguramente à da cerveja.

    Na grécia clássica se chamava "melikraton" e pelos romanos era conhecida pelo nome "agua mulsum", ainda que esta possa ser uma variante feita com vinho de uva adocicado com mel.

    Plínio conta que foi Aristeu quem criou a primeira fórmula do hidromel.

    Outras culturas antigas consumidoras desta bebida foram os celtas, saxões e vikings. Também era conhecido o consumo de uma bebida similar pelos maias.

    Existia a tradição de que os casais recém casados deveriam consumir esta beberagem durante o primeiro ciclo lunar após as bodas para nascer um filho varão. Daí surgiu a tradição atual da lua de mel.
    posted by iSygrun Woelundr @ 5:11 PM   4 comments
    HYNDLULJOD, Canto de Hyndla


    I
    (Canto de Hyndla)
    Despierta, doncella, despierta, mi amiga,
    Hyndla, hermana que habitas la cueva,
    es el crepúsculo y cabalgaremos
    hasta el Valhala y el sagrada templo.
    ¡Pidamos a Herjafödr que esté bien dispuesto!
    ¡Él da recompensa y oro a los guerreros!
    a Hermód le dio yelmo y coraza
    y a Sigmund de regalo una espada.
    Victoria da a algunos, a algunos riquezas,
    elocuencia a muchos, juicio da a los hombres;
    buen viento da a los héroes, poesía a los poetas,
    concede valentía a muchos guerreros.
    Sacrificará a Thor, para pedirle
    que siempre hacia ti tenga lealtad,
    aunque poco ama a las novias de los trolls.
    "Toma ahora de tus lobos uno, del establo,
    déjale que corra con mi verraco."
    "Lento cruza los senderos ese tu jabalí;
    mi excelente corcel no quiero agobiar."
    "Falsa eres, Freyja, tú que me tientas,
    dirige tus ojos hacia nosotros
    pues está tu esposo en la hueste de los muertos,
    el joven Óttar, hijo de Innstein."
    "Engreída eres, Hyndla, pienso que sueñas
    si dices que está mi esposo en las huestes de los muertos
    mientras brillan las cerdas de oro
    del verraco Hildisvín: que hicieron hábilmente
    dos enanos para mí, Dáin y Nabbi."
    ¡Hablemos desde los bancos! Hemos de sentarnos
    y conversaremos de las estirpes reales,
    de aquellos hombres que de dioses descienden.
    Han apostado el metal de Váli
    Óttar, el joven, y Angantýr;
    es preciso ayudarle, que consiga el joven
    la herencia paterna de sus parientes.
    Un altar me hizo todo él de piedras,
    y ahora las rocas se hicieron cristal;
    enrojecieron con sangre de nueve víctimas,
    siempre creyó Óttar en las Aesirinas.
    "Ahora, los antiguos parientes enumera,
    y aquellos linajes nacidos de los hombres:
    ¿Qué fue de los Skjöldungs, qué de los Skilfings?
    ¿Qué de los Ödlings, qué de los Ylfings?
    ¿Quién engendró de hacendados, quién engendró de nobles
    que son los mejores de todo el Midgard?
    "Eres, Óttar, hijo de Innstein;
    y fue Innstein hijo de Álf el viejo,
    Álf de Úlf, Úlf de Saefari,
    padre de Saefari fue Svan el rojo."
    La esposa de tu padre era rica en collares,
    pienso que se llamaba Hlédís, la sacerdotisa;
    fue Fródi su padre, y su madre Frjaut,
    dicen que es linaje de muy grandes jefes.
    Antes fue Áli de los hombres el más fuerte,
    Hálfdan, el primero, el mayor de los Skjöldung,
    famosas las batallas que realizaron,
    sus gestas, dicen, llegaron hasta las puertas del cielo.
    Se unió a Eymund, no hay hombre más noble,
    y a Sigtrygg mató con el frío puñal:
    desposó con Almveig, no hay mujer más noble,
    engendraron, concibieron dieciocho hijos.
    De ahí son los Skjöldung, de ahí son los Skilfing,
    de ahí hijos de hacendados, de ahí hijos de nobles,
    que son los mejores de todo el Midgard;
    ése es tu linaje, necio Óttar.
    Fue Hildigun la madre de ella,
    Hija de Sváfa y de un rey del mar;
    ése es tu linaje, necio Óttar;
    preciso es que lo sepas, ¿quieres saber más?
    Dag casó con Thóra, madre de valientes,
    nacieron de ese linaje los héroes más nobles;
    Fradmar y Gyrd y los dos Frekar,
    Ám y Jösurmar, Álf el viejo,
    preciso es que lo sepas, ¿quieres saber más?
    Ketil fue su amigo, heredero de Klypp,
    padre fue de la madre de tu madre;
    allí fue Fródi antes que Kári,
    fue el más viejo de que hablan, Álf.
    Estaba después Nanna, la hija de Nökkvi:
    y fue su hijo cuñado de tu padre;
    es antiguo parentesco, aún te diré más;
    a los dos conozco, a Brodd y a Hörvi;
    ése es tu linaje, necio Óttar.

    Ísólf y Ásólf, hijos de Ölmód,
    y de Skúrhild la hija de Skekkil,
    y aún contarás más de un hombre noble;
    ése es tu linaje, necio Óttar.
    Gunnar Bálk, Grím Ardskafi,
    Thórir Járnskjöld, Úlf Gínandi,
    Búi y Brámi, Barri y Reifnir,
    Tindr y Tyrfing y los dos Hadding;
    ése es tu linaje, necio Óttar.
    Áni, Ómi luego nacieron,
    hijos de Arngrím y de Eyfura;
    resuenan los excesos de aquellos berserkir,
    por tierras y mares corren como el fuego;
    ése es tu linaje, necio Óttar.
    Conozco a los dos, a Brodd y a Hörvi,
    estaban en la hueste de Hrólf el viejo,
    hijos todos de Jormunrek,
    yerno de Sigurd - escucha mi historia -
    el terror de los pueblos, matador de Fáfnir.
    El príncipe fue hijo de Völsung,
    y Hjördís de Hrandung,
    y Eylimi de los Andling;
    ése es tu linaje, necio Óttar.
    Gunnar y Hógni, sucesores de Gjúki,
    y lo mismo Gudrún, hermana de aquellos;
    no era Guthorm del linaje de Gjúki,
    aunque fue hermano de los otros dos;
    ése es tu linaje, necio Óttar.
    "Harald Hliditön engendrado por Hraerek,
    el dador de anillos hijo fue de And,
    de And la muy sabia, la hija de Ívar,
    y fue Rádbard padre de Randvé,
    esos fueron hombres consagrados a los dioses;
    ése es tu linaje, necio Óttar.



    II
    (Völuspá corta)
    Once decían que eran los Aesir
    cuando Baldr cayó junto a la loma de muerte;
    Váli dijo ser digno de vengarle,
    de su hermano mató al asesino;
    ése es tú linaje necio Óttar.
    Fue el padre de Baldr heredero de Bur;
    casó Frey con Gerd, la hija de Gymir,
    de estirpe de trolls, y de Aurboda:
    pero fue Thjazi pariente suyo,
    el troll ostentoso, fue hija suya Skadi.
    Mucho te decimos, aún más recordamos,
    conviene que lo sepas, ¿quieres saber más?
    Haki fue el mejor de los hijos de Hvaedna,
    y Hvaedna fue hija de Hjörvard,
    Hreid y Hrossthjóf del linaje de Hrímnir.
    Todas las völur descienden de Vidólf,
    descienden los magos todos de Vilmeid,
    y los brujos descienden de Svarthöfdi,
    descienden los gigantes todos de Ymir.
    Mucho te decimos, aún más sabemos,
    conviene que lo sepas, ¿quieres saber más?
    Fue engendrado uno en tiempos remotos,
    poderoso mago, de linaje de dioses;
    llevaron nueve hijas de gigantes
    al bien tachonado, en el confín de la tierra.
    Mucho te decimos, aún más sabemos,
    conviene que lo sepas, ¿quieres saber más?
    Gjálp le llevó, Greip le llevó,
    Le levó Eistla, y también Eyrgjafa,
    Úlfrún le llevó, y también Angeyja,
    Imd y Atla, y también Járnsaxa.
    Se acreció con el poder de la tierra,
    del gélido mar y la sangre inmolada.
    Mucho te decimos, aún más sabemos,
    conviene que lo sepas, ¿quieres saber más?
    Loki engendró al lobo con Angrboda,
    concibió a Sleipnir con Svadilfari;
    decían que la peor de todas las ogras
    fue la descendiente del hermano de Býleist.
    Loki comió el corazón quemado entre las ramas,
    halló, medio consumida, la víscera de una mujer;
    quedó Lopt encinta de la mujer perversa,
    de este modo surgieron los monstruos en la tierra.
    El mar llega a veces hasta el mismo cielo,
    anega las tierras y el aire rechina;
    de ahí las ventiscas y los raudos vientos:
    indican así el fin próximo de los dioses.
    Fue engendrado uno, el mayor de todos,
    se acreció con el poder de la tierra;
    le dicen e más rico de todos los reyes,
    unido por connubio a los pueblos todos.
    "Llega entonces otro, aún más poderoso,
    mas no me atrevo yo a nombrare:
    pocos pueden ver más allá en el tiempo
    el día en que Odín se enfrente con el lobo."

    III
    (Fin de la Völuspá corta)
    "Trae el licor del recuerdo para mi verraco,
    que pueda recordar todas las palabras
    y pueda narrarlas dentro de tres noches
    cuando él y Angantýr digan su linaje."
    "¡Lárgate de aquí! Me apetece dormir,
    pocas cosas buenas lograrás de mí;
    corres, víbora, fuera en la noche,
    como con sus chivos Heidrún viaja."
    "Corriste hacia Ód llena de deseo,
    muchos se ocultaron bajo la saya;
    corres, víbora, bajo la noche,
    como con sus chivos Heidrún viaja."
    "Prenderé fuego a la ogra,
    para que no puedas nunca escapar."
    "Veo arder la brasa, llamear el suelo,
    muchos habrán de perder la vida;
    llévale a Óttar la cerveza en tus manos,
    mezclada con veneno, fatal sortilegio."
    "Tus sortilegios nada servirán,
    aunque, novia del troll, pronuncies conjuros;
    él beberá la preciosa bebida,
    pido que los dioses protejan a Óttar."

    Copyright © por Gotland Forn Sed - Antigua Tradición Gótica Derechos Reservados.
    posted by iSygrun Woelundr @ 2:48 PM   0 comments
    Sobre o Ragnarock
    sexta-feira, maio 12, 2006


    A guerra é parte de nossa tradição guerreira onde
    existem protagonistas e antagonistas, o monge cristão
    snorry quis simbolizar todo este processo a maneira
    crista do seu entendimento.

    Nesta amostra ensina que a tradição de nossos povos
    tinha uma cosmovisao guerreira.

    Os Deuses foram protagonistas, porém nem sempre o
    foram, também o foram outros seres durante vários
    ciclos.

    Este fenômeno esta registrado nas diferentes culturas
    da humanidade como os upanishds, o rig veda e outros
    testemunhos mais.

    A visão de snorry nos mostra um ragnarock que termina
    em uma forma neutra demasiada oriental.

    Porém a realidade é que o ultimo ragnarock foi o
    advento da raça humana como dirigente do destino do
    mundo.

    As mudanças de ciclos são comprováveis através de uma
    maneira energética, as épocas posteriores à época dos
    Deuses foi a época dos humanos.

    O tempo dos humanos foi o período matriarcal onde a
    humanidade emergiu em sociedades de caráter lunar em
    que o coletivo da adoração de Deusas esta no registro
    da humanidade.

    Com a chegada dos indo-europeus muda-se este
    matriarcado por um patriarcado com os cultos solares
    também documentados em outras culturas como a helênica
    e a hindu.


    Se analisássemos a historia veríamos complexidades nas
    lendas e mudanças de culturas anteriores com a
    conseqüente degradação das suas divindades, e umas
    eram masculinas e outras passaram a ser femininas e
    vice-versa.

    Os Deuses dos conquistados passaram a ser parte do
    panteón do povo conquistado.

    Um Odinista não crê na dogmatização dos textos.

    O caso mais exemplar é o do Deus Loki, ele não era
    Aesir nem Vanir, foram encontrados restos
    arqueológicos na Finlândia e no norte da Noruega que
    datam 12 mil anos antes da era crista, que não eram
    indo-europeus, desta maneira existem muitos exemplos
    de raças perdidas entre os tempos.

    Com rigores extremos de vida, talvez o elemento de
    Loki que se apresenta entre os Deuses, representaria
    uma herança anterior, por isto a astúcia, por isto o
    antagonismo; Loki foi a sua estirpe protagonista
    alguma vez.

    Em casos como este, se inclui o caso das lendas
    irlandesas, que estão pondo em xeque aos historiadores
    que evidenciam um snorry que compôs e preencheu as
    sagas do Ragnarock com a morte de Balder que é a cópia
    de uma lenda Irlandesa onde ele pode haver-se
    inspirado.

    Com isto digo que snorry pressionado para escrever o
    relato do Ragnarock, assimilou, preencheu e copiou os
    escritos, tomando lendas de outras tribos e povos,
    então as reuniu criando sua visão ao não haver outro
    registro, destes povos se tomaram como verdades por
    carecer de experiência do Fol.

    Por isso um Odinista, ao Deus Loki o respeita como
    irmão de Odhinn e não crê em um Ragnarock manipulado,
    romântico e cristianizado de Snorry.

    Nos textos de mitologia com caráter religioso das
    lendas épicas, não deveria dogmatizar-se: mentes
    jovens e desequilibradas podem tomar literalmente
    estes atos como feitos verdadeiros, e dali vem a
    confusão, a análise e o escrutínio dos mistérios da
    prosa e da edda
    : Somente nos indica que temos que saber ler entre
    linhas
    : E investigar na história a raiz de onde emergimos
    : Não somente fantasia


    Um Odinista não é uma pessoa religiosa dogmática,
    segue um estrito código de honra e se nutre da
    experiência e da tradição viva e real que lhe da o
    manejo da exploração da espiritualidade coletiva e
    interna do seu ser verdadeiro.

    Senão uma pessoa livre que segue a espiritualidade de
    seus ancestrais de maneira clara e objetiva.

    No caminho da busca de nossos ancestrais, nos
    encontramos com verdades que nos liberam e nos fazem
    ver que a vida é um ciclo em espiral, sempre em eterna
    evolução mesmo que repetindo-se os ciclos para criar
    as mudanças e o desenvolvimento sempre ascendente.

    Por isso ser um Odinista, não é reconstruir sobre
    erros e fantasias que acontecem no caso de outros
    irmãos pagãos que se perdem no mito e se esquecem da
    realidade que estamos vivendo.

    O Ragnarock para um Odinista não é uma história de
    sagas e eddas, é uma realidade natural em nossa vida
    diária e dentro de nós mesmos, e da natureza do Orlog
    e das Nornas.

    Uma representação dos ciclos naturais onde nosso Jule
    Jol, é a morte e o reinicio de nossa vida natural
    através de renascimentos e contínuos regressos de
    renascimentos, um claro exemplo seria nosso satélite a
    lua que quando é lua minguante, morre e renasce em
    seus diferentes ciclos e fases.
    _________________
    Gutane Jer Weihailag
    posted by iSygrun Woelundr @ 2:41 PM   0 comments
    Hárbardsjod - O Discurso de Hárbard
    quinta-feira, maio 04, 2006

    Thor voltava do leste, quando se deparou frente a um canal. Do outro lado
    do
    canal estava o barqueiro e sua barca. Thor falou:

    "Quem é o moço entre os moços na outra orla do canal?"

    Respondeu:

    "Quem é o homem entre os homens que me fala sobre as ondas?"

    Thor falou:

    "Cruza-me o canal, dar-lhe-ei um bom desjejum,
    carrego em minha cesta, pelas costas, o melhor dos almoços;
    Comi em minha casa, antes de marchar,
    Carne de boi e de cabra, e ainda estou satisfeito."

    O barqueiro falou:

    "Qual proeza adiantou-lhe tua comida elogiada;
    E és pouco adiantado:
    Triste está tua família, creio que tua mãe morreu."

    Thor falou:

    "Falastes agora o que de tudo parece
    ser o mais grave: que minha mãe está morta!"

    O barqueiro falou:

    "Claro, pois já vejo que necessitas três bens:
    levas as pernas nuas, roupas de maltrapilhos,
    nem calças parece que tinhas!"

    Thor falou:

    "Traz aqui teu barco! Te direi onde atracar.
    Mas, de quem é a barca que tens ai na terra?"

    O barqueiro falo:

    "Hildúlf se chama quem me mandou vigiar,
    o sagaz guerreiro que habita o Rádseysund;
    Disse-me que não deverão passar assaltantes nem maltrapilhos,
    Só aos bons e aos que conheça bem.
    Pois me diz teu nome se queres passar o canal."

    Thor falou:

    "Sim, e direi-lhe meu nome, embora me afronte,
    e a toda a minha família: sou o filho de Odin,
    irmão de Meili e pai de Mágni,
    rei poderoso dos deuses: com Thor estás falando.
    E agora eu que quero saber como te chamas!"

    O barqueiro falou:

    "Me chamo Hárbard, e não oculto meu nome."

    Thor falou:

    "Porque ocultar seu nome se não fizestes nada de mal?"

    Hárbard falou:

    "Aqui eu continuo, aqui te espero,
    não encontrarás ninguém mais forte desde a morte de Hrungnir."

    Thor falou:

    "Queres lembrar-me minha luta com Hrungnir,
    O gigante arrogante da cabeça de pedra?
    Pois o derrubei e lhe tirei a vida.
    Entretanto, que tu fazias, Hárbard?"

    Hárbard falou:

    "Estive com Fjölvar durante cinco invernos,
    na ilha que chama de Allgraen;
    Ali tivemos combates, e abatemos homens,
    Muito ousamos, e ao amor degustamos."

    Thor falou:

    "Como os trataram vossas mulheres?"

    Hárbard falou:

    "Seriam mulheres vivazes se tivesse sido dóceis,
    Seriam mulheres sábias se tivessem sido fiéis;
    Trançaram cabos com areia,
    E de vales profundos
    Escavaram prados.
    Só o meu juízo foi melhor que o delas,
    Conquistei sete irmãs,
    E tive amor e prazer com todas.
    Entretanto que tu fazias, Thor?"

    Thor falou:

    "Eu matei Thjálfi, o gigante algoz,
    e lancei os olhos do filho de Allvaldi
    até o céu claro;
    São as melhores provas de minhas proezas
    Pois todos os homens podem ver-las.
    Entretanto, que tu fazias, Hárbard?"

    Hárbard falou:

    "Muitos amores tive com feiticeiras,
    e eu as tirei de seus maridos;
    Um Troll feroz eu acredito que foi Hlébard,
    Deu-me o cajado mágico
    E arrebatei-lhe a razão."

    Thor falou:

    "Ao que me parece, um mau prêmio lhe deste por um bom
    presente."

    Hárbard falou:

    "Tinha ele o carvalho que de outros tirou;
    Cada um que se cuide de si,
    Entretanto, que tu fazias, Thor?"

    Thor falou:

    "Eu estava para o leste, combatendo gigantes,
    E pérfidas donzelas quando ia às montanhas;
    Muitos filhos teriam os Trolls se todos vivessem,
    Nenhum homem poderia viver em Midgard.
    Entretanto, que tu fazias, Hárbard?"

    Hárbard falou:

    "Eu estive em Valland livrando combates,
    incitando a lutar, nunca a fazer a paz;
    A Odin vão os nobres guerreiros caídos em combate,
    E a Thor somente os servos."

    Thor falou:

    "Então uma divisão injusta das pessoas farias ante os Aesir
    se tivesses poder para fazer-lo."

    Hárbard disse:

    "Thor é muito forte, mas não é valente;
    Por medo e covardia escondia-se na luva,
    E não parecia Thor.
    Não teve honra, cheio de medo
    De investigar nem enfrentar, por Fjalar te observar."

    Thor falou:

    "Hárbard maricas! enviar-te-ia à Helvete
    Se pudesse cruzar as águas."

    Hárbard falou:

    "Porque cruzar o canal se não temos um júri?
    Entretanto, que tu fazias, Thor?"

    Thor falou:

    "Eu estava para o leste, defendendo rios,
    quando me atacaram os filhos de Svárang.
    Arremessaram pedras: de poucos lhes serviu
    Pois em seguida rogaram-me pedindo a paz.
    Entretanto, que tu fazias, Hárbard?"

    Hárbard falou:

    "Eu estive para o leste, dormi com uma rapariga,
    branca como o linho, nós jogamos e tivemos encontros secretos:
    Gozei com a áurea donzela, a rapariga amava o prazer."



    Thor falou:

    "Então, bom fortúnio com mulheres tivestes."

    "Da tua ajuda tinha precisado, Thor,
    Para a vigília com a branca como linho."

    Thor falou:

    "Bem teria ajudado-te se ali eu estivesse."

    Hárbard falou:

    "E ti teria confiado, se não fosses tão falso."

    Thor falou:

    "Eu não mordo as iscas como um velho carregador na primavera."

    Hárbard falou:

    "Entretanto, que tu fazias, Thor?"

    Thor falou:

    "Donzelas guerreiras combati em Hlésey,
    Tinham feito o pior: dizimaram todo um povo."

    Hárbard falou:

    "Foi grande covardia, Thor, lutar contra mulheres."

    Thor falou:

    "Essas era mais lobas do que mulheres,
    destroçaram meu barco que havia encalhado,
    assustaram-me com um porrete,colocaram Thjálfi para fugir.
    Entretanto, que tu fazias, Hárbard?"

    Hárbard falou:

    "Eu estava com o exército que veio aqui;
    as bandeiras erguidas, lanças machadas de sangue."

    Thor falou:

    "Assim, diz que fostes tu que trouxeste-nos a discórdia?"

    Hárbard falou:

    "Ofereço-te em compensação um bom bracelete,
    como fariam os juízes querendo-nos reconciliar."

    Thor falou:

    "Aonde aprendeste tais palavras mordazes?
    Nunca tinha as ouvido com tamanho sarcasmo."

    Hárbard falou:

    "As aprendi com os homens antigos,
    que agora vivem nos bosques da terra."

    Thor falou:

    "Bom nome dás aos túmulos mortuários,
    ao chamá-los de bosques da terra."

    Hárbard falou:

    "Assim eu também acredito."

    Thor falou:

    "Esse escárnio te resultará mal
    caso decido-me por atravessar as ondas;
    mais forte que um lobo gritará, asseguro,
    se golpeio-te com meu martelo."

    Hárbard disse:

    "Sif possui um amante, vá a tua casa procurá-lo:
    poderás provar teu valor com uma coisa mais impressionante."

    Thor falou:

    "Dá gosto teu linguajar, dizes o que pode doer-me mais;
    É um covarde, e creio que mente."

    Hárbard falou:

    "Acredito que digo a verdade, se não tivesse atrasado tua viagem
    teria já chegado mais distante, Thor, se ainda tivesse posto outra
    cara."

    Thor falou:

    "Hárbard, maricas! Tu tens-me atrasado!"

    Hárbard falou:

    "Do Ásathor nunca pensei que poderia
    conter um barqueiro em sua viagem."

    Thor falou:

    "Te darei um bom conselho: traz aqui tua barca,
    deixamos de ameaças, acodes o pai de Mágni."

    Hárbard falou:

    "Atravessa o canal! Se nega-te o próximo passo."

    Thor falou:

    "Pois me mostra o caminho se não queres me atravessar ao mar."

    Hárbard falou:

    "Fácil é se negar: longe têm de viajar.
    Uma hora no campo, outro campo atravessa,
    Logo haverá um caminho à esquerda, até chegar à Verland,
    Lá encontrará Fjörgyn a seu filho Thor
    E lhe indicará os caminhos confiáveis até as terras de Odin."

    Thor falou:

    "Rápido será para achá-las, já que só com atalhos responde-me;
    pagarás por negar-me a viagem, se nos encontrarmos novamente."

    Hárbard falou:

    "Vai-te já e as pestes que te carreguem!"


    Obs.: Tradução e adaptação para o português por Vagner Cruz. Fonte nos
    Poemas Éddicos, a Hárbardsjód. Meus agradecimentos sinceros ao grupo O
    Troth
    e ao grupo do Antigo Caminho Gótico pelas referências e auxílio nas
    revisões. O poema continua passível de crítica e ou quaisqueres
    correções
    futuras. Este material poderá ser divulgado e repassado, total ou
    parcialmente, desde que citada a fonte. Que nossos trabalhos no
    reconstrutivismo do odinismo sirva de auxílio e inspiração para muitos,
    possibilitando a continuidade dos esforços.

    Copyright © por Vagner Cezar da Cruz - O Troth. Direitos Reservados.
    posted by iSygrun Woelundr @ 2:23 PM   0 comments
    ODIM E AS RUNNAS, BATE PAPO.
    Gostaria de saber se alguém poderia me informar que runa é esta que
    aparece na barba de Odin nesta figura.

    http://www.excaliburheritage.com/images/items/wotan.jpg

    O que ela representa?

    []s

    Filipe

    ICQ 19407684
    MSN filipe.gracioli@gmail.com


    Olá Luís Filipe, tudo bem?

    Esta runa é Ansuz ou Oz. É a runa mais identificada com Odin, talvez
    porque
    seja a runa do saber, e também porque seu Galdr (entoação rúnica) atraia
    o
    Od, em termos de feitiçaria nórdica. Entretanto o nome de Odin na
    maioria
    das vezes é inscrito com Othila, Dagaz, Isa e Nauthiz. Ansuz se traduz em
    A.
    Mas pode assumir o som de Ó, somente no tocante à Ódin.

    Um abraço,

    Vagner Cruz
    posted by iSygrun Woelundr @ 2:19 PM   0 comments
    ODIM E AS RUNNAS, BATE PAPO.
    Gostaria de saber se alguém poderia me informar que runa é esta que
    aparece na barba de Odin nesta figura.

    http://www.excaliburheritage.com/images/items/wotan.jpg

    O que ela representa?

    []s

    Filipe

    ICQ 19407684
    MSN filipe.gracioli@gmail.com


    Olá Luís Filipe, tudo bem?

    Esta runa é Ansuz ou Oz. É a runa mais identificada com Odin, talvez
    porque
    seja a runa do saber, e também porque seu Galdr (entoação rúnica) atraia
    o
    Od, em termos de feitiçaria nórdica. Entretanto o nome de Odin na
    maioria
    das vezes é inscrito com Othila, Dagaz, Isa e Nauthiz. Ansuz se traduz em
    A.
    Mas pode assumir o som de Ó, somente no tocante à Ódin.

    Um abraço,

    Vagner Cruz
    posted by iSygrun Woelundr @ 2:19 PM   0 comments
    Alvísmál, A Balada de Alvís


    (Alvís)

    "A cobrir
    os bancos comigo, a noiva
    irá a minha casa;
    apressado, o matrimônio talvez pareça a todos;
    não é necessário parar, em casa."

    (Thor)

    "Quem
    é esse homem? Porque é pálido seu nariz?
    Encostas-te entre os mortos?
    Todo um Troll parece-me que sejas,
    Não convém à noiva."


    (Alvís)

    "Alvís
    Chamo-me, abaixo da terra vivo,
    Abaixo de uma pedra é minha casa;
    O Senhor dos Carros vim visitar.
    Que ninguém quebre o voto!"

    (Thor)

    "Eu o terei
    de romper, pois da noiva
    como pai disponho;
    Pois não estava em casa quando se fez o voto,
    E só eu poderia fazer-lo."


    (Alvís)

    "Quem
    é este homem que afirma dispor
    da formosa donzela?
    Qual vagabundo, poucos te conhecem,
    Engendrou-te como seu herdeiro?"

    (Thor)

    "Vingthor
    Chamo-me - muito tenho viajado -
    Filho sou de Sídgrani;
    Sem meu consentimento não terás a virgem,
    Não conseguirás o matrimônio."


    (Alvís)

    "Teu consentimento,
    quero de imediato,
    para conseguir o matrimônio;
    Quero ter-la, não quero perde-la,
    A suave rapariga."

    (Thor)

    "O amor
    da virgem não te será,
    sábio hóspede, negado,
    se me disser como chama nos mundos
    o que quero saber."

    "Diz-me, Alvís
    - pois creio, anão, que sabeis
    os destinos de todos -
    como chamam a terra, que se estende ante o homem,
    em todos os mundos."

    (Alvís)

    "Terra, dizem
    os homens; Campos, os Aesir;
    Caminhos, os Vanir;
    Sempre Verde, os Trolls; Férteis, os Elfos;
    Os mais altos, Argila."

    (Thor)

    "Diz-me Alvís
    - pois creio, anão, que sabeis
    os destinos de todos -
    como chamam ao céu criador de tormentas
    em todos os mundos."

    (Alvís)

    "Céu dizem
    os homens; os Aesir, Luz Celeste,
    Fornalha dos Ventos, os Vanir;
    Mundo Superior, os Trolls; Teto Formoso, os Elfos;
    Salão de Chuvas, os Anões."

    (Thor)

    "Diz-me Alvís
    - pois creio, anão, que sabeis
    os destinos de todos -
    como chamam a lua que vêem os homens
    em todos os mundos."

    (Alvís)

    "Lua, dizem
    os homens; os deuses, Avermelhado;
    em Hel, Roda Giratória;
    Rápido, os Trolls; Brilhoso, os Anões,
    Os elfos, Marcador dos Anos."

    (Thor)

    "Diz-me Alvís
    - pois creio, anão, que sabeis
    os destinos de todos -
    como chamam o sol que vêem os homens
    em todos os mundos."

    (Alvís)

    "Sol, dizem
    os homens; os Deuses, Luminosa;
    os Anões, Amiga de Dvalin;
    Sempre Brilhante, os Trolls; Bela Roda, os Elfos;
    Toda Luz, os Aesir."

    (Thor)

    "Diz-me Alvís
    - pois creio, anão, que sabeis
    os destinos de todos -
    como chamam a nuvem que se mescla às chuvas
    em todos os mundos."

    (Alvís)

    "Nuvem, dizem
    os homens; os Deuses, Certeza de Chuva;
    Balsa dos Ventos, os Vanir;
    Crosta de Água, os Trolls; os Elfos, Força dos Ventos;
    Em Hel, Elmo da Invisibilidade."

    (Thor)

    "Diz-me Alvís
    - pois creio, anão, que sabeis
    os destinos de todos -
    como chamam o vento que tão longe viaja
    em todos os mundos."

    (Alvís)

    "Vento, dizem
    os homens; os Deuses, Vacilante;
    os Sagrados Seres, Suspirante;
    Envolvente, os Trolls; os Elfos, Ruidoso;
    E em Hel, Turbilhante."

    (Thor)

    "Diz-me Alvís
    - pois creio, anão, que sabeis
    os destinos de todos -
    como chamam a calma, que existe no ar,
    em todos os mundos."




    (Alvís)

    "Calma, dizem
    os homens; os Deuses, Escorador;
    Ocaso dos Ventos, os Vanir;
    Tranqüilidade, os Trolls; os Elfos, Sossego do Dia;
    Repouso do Dia, os Anões."

    (Thor)

    "Diz-me Alvís
    - pois creio, anão, que sabeis
    os destinos de todos -
    como chamam o mar, aonde remam,
    em todos os mundos."

    (Alvís)

    "Mar, dizem
    os homens; os Deuses, Sempre Pacífico;
    Ondas, os Vanir;
    Mundo das Enguias, os Trolls; os Elfos, Mantedor das Águas;
    Mar Profundo, os Anões."

    (Thor)

    "Diz-me Alvís
    - pois creio, anão, que sabeis
    os destinos de todos -
    como chamam o fogo que arde ante os homens
    em todos os mundos."

    (Alvís)

    "Fogo, dizem
    os homens; Chama, os Aesir;
    Movediço, os Vanir;
    Glutão, os Trolls; os Anões, Ardido;
    Veloz, em Hel."

    (Thor)

    "Diz-me Alvís
    - pois creio, anão, que sabeis
    os destinos de todos -
    como chamam o bosque, que cresce ante os homens,
    em todos os mundos."

    (Alvís)

    "Bosque, dizem
    os homens; os Deuses, Cabeleira do Alto;
    Musgo do Monte, os humanos;
    Lenha, os Trolls; os Elfos, Ramo Formoso;
    Vareta, os Vanir."

    (Thor)

    "Diz-me Alvís
    - pois creio, anão, que sabeis
    os destinos de todos -
    como chamam a noite, que Nör engendrou,
    em todos os mundos."

    (Alvís)

    "Noite, dizem
    os homens; os Deuses, Trevas;
    os Sagrados Seres, Máscara;
    Sombria, os Trolls; os Elfos, Prazer dos Sonhos;
    Deusa dos Sonhos, os Anões."

    (Thor)

    "Diz-me Alvís
    - pois creio, anão, que sabeis
    os destinos de todos -
    como chamam o grão, que viram os homens,
    em todos os mundos."

    (Alvís)

    "Dizem Cevada
    os homens; os Deuses, Centeio;
    Planta, os Vanir;
    Comida, os Trolls; os Elfos, Suporte do Licor;
    E em Hel, Balançante."

    (Thor)

    "Diz-me Alvís
    - pois creio, anão, que sabeis
    os destinos de todos -
    como chamam a cerveja, que bebem os homens,
    em todos os mundos."

    (Alvís)

    "Cerveja, dizem
    os homens; Malte, os Aesir;
    Aguardente, os Vanir;
    Licor Puro, os Trolls; e em Hel, Hidromel;
    Festim, os filhos de Suttung."

    (Thor)

    "Em uma única
    caixa jamais tinha visto
    tanta antiga ciência;
    com grandes artimanhas eu tenho enganado-te;
    em pé estais, anão, de dia,
    brilha o sol nesta sala!"


    Obs.: Tradução e adaptação para o português por Vagner Cruz. Fonte nos
    Poemas Éddicos, o Alvísmál. Meus agradecimentos sinceros ao grupo O Troth
    e
    ao grupo do Antigo Caminho Gótico pelas referências e auxílio nas
    revisões.
    O poema continua passível de crítica e ou quaisqueres correções futuras.
    Este material poderá ser divulgado e repassado, total ou parcialmente,
    desde
    que citada a fonte. Que nossos trabalhos no reconstrutivismo do odinismo
    sirva de auxílio e inspiração para muitos, possibilitando a continuidade
    dos
    esforços.

    Copyright © por Vagner Cezar da Cruz - O Troth. Direitos Reservados.
    posted by iSygrun Woelundr @ 2:15 PM   0 comments
    OS SONHOS DE BALDR

    Baldrsdräumar

    Os Sonhos de Baldr

    Reunidos estavam Aesir e Asynjor,
    Todos falavam; discutiam os Deuses,
    As nobres virtudes, porque teve Baldr
    Aqueles sonhos de grande horror.

    Alçou-se Odin, pai dos Deuses,
    Às traseiras de Sleipnir colocando a sela:
    Cavalga até Nifhel, encontra ali um cão
    Saindo do reino da horrível Hel.

    Sua frente estava vermelha de sangue
    Latindo por um longo momento o grande feiticeiro;
    Segue Odín a caminhada, a terra retumba,
    E chega depois à casa de Hel.

    Odín cavalga até as portas do oriente,
    Onde, ele o sabia, enterraram a völva;
    Usou sortilégios, recitou conjurações,
    Obrigou à morta que falou como cadáver:

    "Qual dos homens, a quem conheço,
    tem vindo a oprimir meu amargo caminho?
    Cobria-me o vento nevado, chicoteava-me a chuva,
    Congelava-me a geada; morta tenho estado."

    Vegtham me chamo, e meu pai é Veltham,
    Fala-me agora, eu faço-o na terra,
    De quem é o baú todo cheio de jóias?
    De quem é o assento coberto de ouro?"

    "Pronto já está para Baldr o hidromel,
    a alva bebida, sob um escudo;
    ansiosos esperam todos os deuses;
    Obrigada tenho falado, agora tenho de calar."

    "Não se cale, völva! Quero ainda perguntar,
    Até que tudo se chegue a saber;
    Quem um dia matará Baldr
    E ao filho de Odin a vida há de roubar?"

    "Hödr lançará ao muito nobre a tão famosa flecha;
    Pois ele a Baldr um dia matará
    E ao filho de Odin a vida há de roubar.
    Obrigada tenho falado, agora tenho de calar."

    "Não se cale, völva! Quero ainda perguntar,
    Até que tudo se chegue a saber;
    Quem, cheio de ódio, em Hödr lhe vingará,
    E ao assassino de Baldr levará a pira?"

    "Além do ocidente Rind incumbiu Vali,
    recém nascido, ao filho de Odin matar:
    não lavará suas mãos, nem penteará seus cabelos,
    antes de levar à pira o inimigo de Baldr.
    Obrigada tenho falado, agora tenho de calar."

    ""Não se cale, völva! Quero ainda perguntar,
    Até que tudo se chegue a saber;
    Quem são as donzelas que terão de lamuriar,
    E seus mantos do colo até o alto lançarão?"

    "Tu não és Veghtam como eu cheguei a pensar,
    mas tu és Odin, o velho sábio."

    "Tu não és a völva, nem uma mulher sábia,
    mas és a mãe de três gigantes."

    "Volta para a casa, Odin glorioso,
    E nunca mais voltará homem algum me perguntar,
    Até que já esteja livre Loki de seus nós,
    E o grande Ragnarök chegue a seu final!"


    Obs.: Tradução e adaptação para o português por Vagner Cruz. Fonte nos
    Poemas Éddicos, a Baldrsdraumar. Meus agradecimentos sinceros ao grupo O
    Troth e ao grupo do Antigo Caminho Gótico pelas referências e auxílio
    nas
    revisões. O poema continua passível de crítica e ou quaisqueres
    correções
    futuras. Este material poderá ser divulgado e repassado, total ou
    parcialmente, desde que citada a fonte. Que nossos trabalhos no
    reconstrutivismo do odinismo sirva de auxílio e inspiração para muitos,
    possibilitando a continuidade dos esforços.

    Copyright © por Vagner Cezar da Cruz - O Troth. Direitos Reservados.

    Balder
    Segundo algumas fontes seria filho de Odin e Frigg, segundo outras seria apenas um "protegido". Era, em qualquer dos casos, uma divindade da justiça e da sabedoria, e embora não pertencesse ao núcleo de deuses superiores, Aesir, era-lhe permitida a permanência em Asgard. Balder disseminou a boa vontade e a paz em todos os lugares que visitou, o que fez dele um dos deuses mais amados. Sua popularidade e bondade inata atraíram a ira de Loki, que tramava o mal. Balder era atormentado por pesadelos, um sinal da morte iminente, e isso perturbava os deuses. Depois de muitos problemas, Odin determinou o destino de Balder e tomou algumas precauções para evitá-lo. Entretanto Loki interveio e Balder foi morto por um galho de visco atirado por seu irmão cego Hodr (ou Hod) - que por sua vez fora enganado por Loki -, conforme havia sido previsto. As tentativas para resgatar Balder de Hel foram frustradas por Loki. As profecias avisam, porém, que irá regressar antes do dia do fim-do-mundo: o dia de Ragnarok. Não obstante, esperava-se que Balder retornasse após uma grande catástrofe mundial (o Ragnarok) e governasse um mundo novo. A semelhança dessas expectativas pode ter ajudado na difusão inicial do cristianismo entre os nórdicos. Balder é marido da bela Nanna, uma deusa benevolente e bela, que se atirou em sua pira funerária para habitar Hel com seu marido. Juntos, o casal, são pais de Forseti, uma divindade da justiça, que alguns dizem presidir as Things (ãs assembléias dos homens livres). ja:バルドル

    Balder

    Mitologia Nórdica


    Filho de Odin e de Frigga ( a terra cultivada ), habita Breidablick, palácio de ouro onde recebe os virtuosos. É o deus da luz ( de Bal-luzente, claro ), o mais brilhante dos ases e o mais belo dos deuses, morto por seu irmão Hoder ( deus da guerra ), por insinuações de Loke, renascerá no fim do mundo, no grande crepúsculo, para reconstruir o céu. Matará então o lobo Fenris, e vingará a morte do pai. Desposou Nana, de quem houve Forsetes, deus da justiça e da paz, que habita o palácio Glatnir. Diz uma lenda que Balder, tendo surpreendido a formosa Nana, filha de Sevaro, a se banhar em um regato, por ela se apaixonou, e pretendeu-a para esposa, na ausência do noivo Hothero. O repúdio da donzela deu lugar a um combate entre os rivais, no qual os deuses se colocaram ao lado de Balder. Hothero, com sua espada mágica, fez cair o martelo das mãos de Thor, pôs em fuga os deuses, e saiu vencedor. Segundo outra lenda, Balder e Hothero disputavam, entre si, a posse da Dinamarca e, na luta, Hothero foi vencido; mas, vindo a saber que a extraordinária força de Balder provinha de determinado alimento, ingeriu-o também e, com o auxílio do seu cinturão mágico, conseguiu sair vencedor em segundo combate.
    posted by iSygrun Woelundr @ 2:14 PM   1 comments
    QUEM ERAM OS VIKINGS, SEGUNDO O PROF. JOHNNY LANGER...

    Prof. Johnni,

    Quais tribos e povos formavam os vikings em específico? NA verdade eu
    queria
    saber as masi "fortes", as maiores, as últimas vikings. Eu tenho
    uma imagem
    dos danos na cabeça, mas sei que não foram os únicos.

    Abraços!

    Vagner

    Oi Vagner,
    Um pouco antes da Era Viking existiam:
    Dinamarca - Heruls
    Noruega - Agandii, Aetelrugi, Arothi, Raumi
    suécia - Granii, raumariki, gotar do Oeste/Leste, Svear

    era Viking:

    dinamarca - Danes
    Noruega - noruegueses
    Suécia - gotar, svear

    abra;os, johnni

    http://br.groups.yahoo.com/group/Celtas-Vikings/
    posted by iSygrun Woelundr @ 2:12 PM   0 comments
    CALENDÁRIO NÓRDICO

    Mêses em português - Mês em danês (significado) - Mês em Old Norse (significado)
    >
    > Janeiro - Glugm a Ned (mês de abertura) - Thorri (mês de Thorri, deus do inverno)
    > Fevereiro - Blidem a Ned (mês de apaziguar)- Goí (filha de Thorri)
    > Março - Torm a Ned (mês de Thor) - Einmanudhr (mês solitário)
    > Abril - Farem a Ned (mês de perigo) - Gaukmanudhr (mês de princípio do verão)
    > Maio - Majm a Ned (mês dos maypoles) - Eggtidhr (mês da maré)
    > Junho - Hom a Ned (mês do feno)- Solmanudhr (mês do sol)
    > Julho - Ormem a Ned (mês dos carneiros) - Heyannir ("henaje")
    > Agosto - Hostm a Ned (mês do outuno)- Trimanudhr (mês duplo)
    > Setembro - Fiskem a Ned (mês da pesca)- Hanstmanudhr (mês da colheita)
    > Outubro - Saedem a Ned (mês de "aduana") - Gormanudhr (mês do sangramento)
    > Novembro - Slagtem a Ned (mês dos mortos)- Frermanudhr (mês da geada)
    > Dezembro - Julem a Ned (mês de Jól)- Hrutmanudhr (mês do carneiro)
    >
    > Dias da semana em português - dias da semana em old norse
    >
    > Domingo - Sunnudagr - Dia de Sol
    > Segunda - Mánadagr - Dia de Lua
    > Terça - Tyrsdagr - Dia de Tyr
    > Quarta - Óthinsdagr - Dia de Odin
    > Quinta - Thorsdagr - Dia de Thor
    > Sexta - Frjádagr - Dia de Freyja
    > Sábado - Lauardagr - Dia de Loki
    >
    > Vagner Cruz
    posted by iSygrun Woelundr @ 2:03 PM   0 comments
    ODIN E O CALENDÁRIO ODINISTA.

    ODIN,
    TAMBEM CHAMADO OTHIN, WOTAN, WODEN, WUOTAN, VODEN OU VOTAN.NA MITOLOGIA NÓRDICA (NORSE-O CAMINHO DO NORTE), É O PRINCIPAL DEUS DO AESIR.DOMINANDO O CÉU E A TERRA. É O DEUS DA GUERRA, DA ADIVINHAÇÃO, DA AGRICULTURA E DA POESIA.
    ELE SENTA-SE NA CABECEIRA DA MESA NOS BANQUETES AOS GUERREIROS MORTOS EM BATALHA. É O PAI DOS ESCOLHIDOS.
    IRMÃOS: VILI E VE, QUE COM ELE MATARAM O GIGANTE PRIMORDIAL YMIR E DE SEU CORPO FORMARAM O MUNDO: TERRA, MAR E CÉU. ODIN E SEUS IRMÃO CRIARAM OS HUMANOS PRIMORDIAIS, ASK E EMBLA.
    ODIM, SUPREMO CHEFE DO AESIR, UMA SOCIEDADE DE DEUSES GUERREIROS, FORTES E ETERNAMENTE JOVENS. ODIM TINHA NA MENTE SEU MAIOR PODER. NAS GUERRAS, DECIDIA O DESTINO DOS GRANDES GUERREIROS. ELE É O MESTRE ESOTÉRICO E DESCOBRIDOR DAS RUNNAS. ELE ERA O GRANDE PAI.

    CELSO LUCAS

    Heilsa Folk!

    Consegui finalmente traduzir e adapatar todas as festividades do
    Odinismo
    para o hemisfério sul.
    Calendário Sagrado do Odinismo - Hemisfério Sul

    - 09 de Janeiro
    - Dia da morte de Raud o Forte, assassinado
    por Olaf o Gordo quando se recusou a se converter ao cristianismo.
    - 31 de Janeiro
    - Thorrablót: Oferta à Thor para bênçãos aos
    trabalhos anuais.
    - 02 de
    Fevereiro - Freyrfaxi: festa à Frey, em agradecimento
    às colheitas ceifadas.
    - 09 de
    Fevereiro - Dia da morte de Eyvind Kinnif, assassinado
    por Olaf o Gordo quando se recusou a se converter ao cristianismo.
    - 20 de Março -
    Harvest: Princípio de Outuno e Chegada de
    Inverno.
    - 09 de Abril -
    Dia de Hakoon Sigurdson O Grande, defensor da
    Forn Sed na Noruega.
    - 30 de Abril -
    Noites de Inverno: fim das colheitas e
    bendição das entidades para as caças e sobrevivência.
    - 09 de Maio -
    Dia de Gurod de Gudbrandsdal, assassinado por
    Olaf o Gordo por negar-se a conversão ao cristianismo.
    - 22 de Maio -
    Dia de Ragnar Lodbrok/Celebração dos Vikings:
    comora-se o início das ocupações vikingues pela Europa.
    - 30 de Maio -
    Celebração dos Aesires: festa em honra aos
    Deuses dos Homens.
    - 01 de Junho -
    Dia de Ullr Rei do Inverno: marca o fim das
    estações de calor e começo dos meses de inverno.
    - 09 de Junho -
    Dia de Sigurd (Siegfried) Völusng, por seu
    heroísmo e vitória sobre a simbologia que o Dragão Fafnir representa.
    - 22 de Junho -
    Mídwinterblót: Solstício de Inverno. Inicio do
    inverno e renascimento do sol.
    - 23 de Junho -
    Jol ou Dia Mãe: festa em comemoração ao ano
    novo nórdico e todos seus atributos. Celebração das Mães, das Dísir
    pedindo
    bênçãos para o novo ano.
    - 24 de Junho -
    Festa de Vali, Festa da Família ou Festa de
    Vingança de Sangue.
    - 09 de Julho -
    Dia de Unn a de Mente Profunda.
    - 19 de Julho -
    Dia da morte de Olaf o Gordo e fim da opressão
    cristã.
    - 24 de Julho -
    Disablót ou Álfablót: Sacrifício das Mães ou
    Sacrifício dos Elfos. Pedindo bênçãos como: proteção, saúde e cura a
    estes
    seres femininos do Clã. São louvadas as Dísir, Idesas, Walkyras e Norns
    no
    Disablót, ou os Elfos no Álbablót.
    - 09 de Agosto
    - Dia do Rei Radbod da Frísia, que se negou a
    converter-se ao cristianismo.
    - 09 de
    Setembro - Dia de Hermann o Cheriscan, representante
    da liberdade do tribalismo germânico.
    - 23 de
    Setembro - Eostr: equinócio de primavera. Início dos
    degelos, quando o mundo chora para o retorno do sol e sorri quando ganha
    poder cada vez mais.
    - 12 de Outubro
    - Dia de Leif Eriksson e sua irmã Freydis
    Eriksdottir, por sua descoberta à América.
    - 28 de Outubro
    - Dia de Erik o Ruivo, por suas expedições à
    Groelândia e vitórias sobre o mar.
    - 30 de Outubro
    - Sumarmál: princípio de verão. Também chamado
    de Noite de Walburga.
    - 01 de
    Novembro - Enherjarsdáegr: Dia dos Heróis Mortos, em
    honra aos Enherjas do Clã e suas virtudes.
    - 09 de
    Novembro - Dia da Rainha Sigrid da Suécia, que
    organizou o complô para Olaf o Gordo da Noruega cair do governo e cessar
    a
    tirania do cristianismo.
    - 23 de
    Novembro - Weyland Smith: dia de Weyland ou Völundr.
    Relembra seu mito e vitória.
    - 30 de
    Novembro - Festa dos Vanires: celebração aos deuses da
    terra e da natureza.
    - 09 de
    Dezembro - Dia de Egill Skallagrimsson, skáld,
    guerreiro, poeta e mago rúnico.
    - 25 de
    Dezembro - Mídsumarblót: solstício de verão. Festa de
    Baldr.


    Traduções e adaptação por Vagner Cruz
    posted by iSygrun Woelundr @ 2:00 PM   27 comments
    iHELL, a cidade do pecado!
  • iHELL, A CIDADE DO PECADO(canal de tecnologia)
  • iMOTOKO, um futuro pleno de tecnologia
  • KINEMA, artes e espetáculos
  • iAPLEE, o mundo da maçã
  • iCHINACELL, tecnologia móvel chinesa
  • BIBLIOTECA ON LINE
  • MOMENTO POLÍTICO
  • PIADAS
  • Ridertamashii
  • ultimas UNIVERSO ASGARDH
  • Os Povos do Norte, Germânicos e Romanos e a formaç...
  • A IDADE MÉDIA VIVE! DEBATE SOBRE A SÉRIE GAME OF T...
  • Identificadas árvores "mumificadas" da era viking ...
  • Lokasenna
  • Aegir
  • MAPEANDO YGGDRASIL
  • sobre filme Erick The viking - Ragnarok e cristian...
  • Usos e costumes alemães de Ano Novo
  • O último reino, de Bernard Cornwell, critica pelo ...
  • BERSERKER HELLS WARRIOR
    REPORTAGENS ARQUIVADAS MÊS
    PROGRAMAS DE AFILIADOS: PARA TER ANUNCIOS EM SEU SITE OU BLOG
    © MITOLOGIA NÓRDICA Template by ASGARDH